Cavalos-marinhos atestam boas condições da Lagoa de Araruama (RJ)

Cavalo Marinho
Texto: Janaina Novellino

Um morador exigente, que gosta de habitar em águas limpas, adotou a Lagoa de Araruama (RJ) como morada e até já se reproduz no local. É o cavalo-marinho, que tem sido visto por pescadores e banhistas da Região dos Lagos (RJ). Pesquisadores também observam a presença deles.

São dezenas de animais encontrados em diversos trechos da maior laguna hipersalina em estado permanente do mundo. A Lagoa de Araruama já esteve em colapso ambiental no início dos anos 2000 e, gradativamente, com os investimentos em saneamento, está recuperando a qualidade da água.

Os peixes também voltaram e a lagoa renasceu. Voltou às condições encontradas antes do crescimento urbano no entorno. A região, que tinha 30% de rede de esgoto tratado, hoje tem 80%. Pescadores comemoram a volta dos peixes e de toda a vida no lugar.

Mais de 100 cavalos-marinhos catalogados

A presença dos animais chamou tanto a atenção dos especialistas que o Projeto Cavalos-Marinhos (RJ), passou a monitorar a laguna. Mais de 100 animais já foram catalogados. O monitoramento é feito em São Pedro da Aldeia, Iguaba Grande e Araruama – três das cinco atendidas pela Prolagos.

Durante o trabalho do Projeto Cavalos-Marinhos, são analisadas a quantidade; a proporção de machos para fêmeas, e de adultos para jovens; o estágio reprodutivo e o tipo de comportamento que eles apresentam.A espécie cadastrada é o Cavalo-Marinho do Focinho Longo.

“Esses fatores nos mostram como está a saúde dessa população. Também fazemos uma marcação por meio de fotografias do topo da cabeça dos animais. Ali fica uma estrutura óssea que é como uma impressão digital, ou seja, são únicas”, diz Natalie Freret-Meurer, coordenadora do projeto.

Além da análise do animal, também é feita a coleta da água. “Examinamos parâmetros como: salinidade, temperatura, PH, amônia e nitrito, mas ainda não sabemos a causa do surgimento dos cavalos-marinhos, pois não temos dados científicos robustos para identificar o motivo”, ressalta Natalie.

Projeto Imersão faz análises da água e constata qualidade

Com 85% das praias com águas próprias para o banho, segundo o último relatório de balneabilidade do Inea (Instituto Estadual do Ambiente), emitido em setembro deste ano, a Lagoa de Araruama também é foco de outro projeto: o Imersão.

Realizado pela Universidade Veiga de Almeida em parceria com a Prolagos, o programa faz análises dos parâmetros físico-químicos da água da laguna, com a produção de relatórios técnico e fotográfico trimestrais, assim como levantamento da avifauna, classificando as aves migratórias e residentes na Região dos Lagos.

Animais sensíveis à poluição

“Alguns organismos como o cavalo-marinho são muito sensíveis à poluição e esse retorno é um excelente indicador da saúde ambiental desse corpo hídrico. Estamos em um somatório de esforços para convergir as análises da concessionária, da universidade e do Inea. Desta forma, teremos a constatação efetiva do que já é perceptível a nível ocular, que é a recuperação da qualidade da água da laguna”, pontua o biólogo e coordenador do projeto, Eduardo Pimenta.

Skip to content