Quase 50 mil litros de óleo usado deixa de ir para as redes de esgoto

Quase 50 mil litros de óleo usado deixa de ir para as redes de esgoto

Dados da Oil World apontam que o Brasil produz 9 bilhões de litros de óleos vegetais por ano. Desse volume produzido, um terço vai para óleos comestíveis, o que resulta em uma produção de 3 bilhões de litros por ano no país.

O problema é que grande parte desse óleo é descartada de forma incorreta, na pia ou no vaso sanitário, e vai parar na rede de esgoto – o que entope as tubulações, além de ser um enorme risco ao meio ambiente, devido à contaminação.

Projeto De Olho no Óleo

Desde 2011, por meio do projeto De Olho no Óleo, a Águas Guariroba dá um destino correto a esse agente causador de prejuízos inestimáveis. Em 13 anos, com apoio e parcerias com outras empresas, a concessionária arrecadou 47.820 litros de óleo.

O recorde foi no ano passado, quando foram arrecadados 6.478 litros de óleo. O programa também é desenvolvido em outras unidades da Aegea.

Ações de conscientização

“Os números demonstram a maturidade do programa e o efeito educativo na sociedade. Todo mundo sabe que o óleo de cozinha é reciclável, mas muitas pessoas têm dúvidas sobre como descartá-lo. Com o programa, além de incentivar o descarte correto, temos realizado ações de conscientização, explicando que não é recomendado jogá-lo em pias, ralos ou no próprio solo”, considera Bia Rodrigues, coordenadora de Responsabilidade Social da Águas Guariroba.

Óleo usado se transforma em matéria-prima

Atualmente, a concessionária tem parcerias com a Rede Comper, Fort Atacadista, Solurb e a Katu Oil. Cada loja do Comper conta com placas incentivando os clientes a depositarem o óleo em garrafas para depois o descartarem nos pontos de coleta instalados no estacionamento dos supermercados.

Os pontos de arrecadação têm o formato de uma garrafa, com capacidade para 200 litros de óleo cada. O óleo descartado ali é recolhido pela empresa Katu Oil e encaminhado para indústrias que fabricam rações animais em Campo Grande. O mesmo ocorre com o óleo recolhido em unidades do Fort Atacadista.

Economia circular: gerando emprego e renda

O óleo coletado em conjunto com a Solurb gera emprego e renda para os trabalhadores que atuam nas Unidades de Triagem de Resíduos (UTRs) de Campo Grande, pois o resíduo é separado e vendido para uma empresa especializada na reciclagem desses produtos. Todo o recurso arrecadado é dividido entre os trabalhadores.

Já a parceria com a Solurb permite que o óleo seja coletado pelos caminhões de coleta seletiva, basta o cidadão despejá-lo em uma garrafa de plástico. Quem preferir também pode levar o óleo até os ecopontos dos bairros Jd. Panamá, Noroeste, Nova Lima, União e Moreninhas ou em um local de entrega voluntária da empresa.

Projeto Bolha de Sabão

As parcerias resultam também em ações de educação ambiental, realizadas pelo setor de Responsabilidade Social da concessionária. As iniciativas levam palestras com informações sobre a importância da reciclagem do óleo de cozinha usado para a preservação do meio ambiente e para a saúde das pessoas.

Dessas ações surgiu o projeto Bolha de Sabão, que incentiva o reuso sustentável do óleo de cozinha com a transformação em sabão em pó, líquido, sabonetes e produtos de limpeza em geral, por meio da capacitação de mulheres de baixa renda, que vivem em comunidades de Campo Grande.

Contaminação do meio ambiente em larga escala

“Estima-se que um litro de óleo pode contaminar aproximadamente 20 mil litros de água. Descartado de maneira incorreta, o óleo prejudica o solo e pode comprometer o funcionamento das redes de esgoto, já que com a gordura, as tubulações ficam obstruídas podendo causar extravasamentos. Então, esse projeto tem reflexos extensos e importantes para o meio ambiente e as comunidades”, pontua o diretor-presidente da Águas Guariroba, Themis de Oliveira.

Pular para o conteúdo