Recuperação ambiental feita pela Prolagos é destaque em prêmio

Recuperação ambiental feita pela Prolagos é destaque em prêmio
Texto: Janaina Novellino

A noite de celebração reuniu jornalistas de toda a Região dos Lagos (RJ) para a entrega do 4º Prêmio Prolagos de Jornalismo Ambiental. A edição 2022 do concurso que estimula a produção de conteúdo sobre saneamento básico contou com seis categorias premiadas.

São elas: Fotojornalismo, Impresso, Telejornalismo, Webjornalismo, Rádio e Jornalismo Universitário.  Além de troféu, os vencedores receberam prêmio de R$ 4.500,00 e R$ 2.500,00, para os dois primeiros colocados das categorias profissionais, e R$ 1.000,00 para o 1º lugar na universitária.

Personagens da região contam as boas histórias do saneamento

Um dos destaques dessa edição foram os personagens. Muitos inscritos compartilharam boas histórias, de pessoas da região, mostrando como os investimentos em saneamento impactaram na vida dos moradores

“Saber ouvir, se colocar no lugar do outro, conhecer e transmitir mensagens dando elementos para que o espectador possa formar a sua opinião, é essencial para cumprir o papel do jornalismo”, pontua Pedro Freitas, diretor-presidente da Prolagos.

Segundo ele, “ao vermos tantas histórias contadas, percebemos que a imprensa está apurando e ouvindo todos os lados envolvidos, e temos a certeza de que a população vai receber a informação correta”.

Os trabalhos foram avaliados por profissionais com mais de duas décadas de experiência em comunicação corporativa no setor de saneamento, as jornalistas Rosiney Bigatão, Yolanda Carnevale e Ana Rizzo. 

Os vencedores da premiação: o defeso na lagoa

Em Fotojornalismo, o fotógrafo Téo Arrabal, do Jornal Folha dos Lagos, retratou o vazio da Lagoa de Araruama durante o defeso, período em que os pescadores da laguna ficam proibidos de pescar, e conquistou o primeiro lugar na categoria. 

“Me inspirei em Cabo Frio. Quem conhece o município sabe que a Praia do Siqueira, além de ser reduto de pescadores, possui o pôr do sol mais bonito. E me chamou atenção aquele visual tão lindo sem que os pescadores pudessem trabalhar durante o período do defeso para preservar o crescimento das espécies da laguna. Muito bom conquistar meu primeiro prêmio retratando a minha cidade”, ressalta Téo. 

Foto: Projeto Cavalos-Marinhos

O retorno dos cavalos-marinhos

O retorno de cavalos-marinhos na Lagoa de Araruama foi tema da reportagem vencedora na categoria Telejornalismo, exibida no Jornal Nacional, fazendo com que o repórter Alexandre Kapiche conquistasse a primeira colocação. 

“Essa matéria nos presenteou duas vezes: primeiro com a exibição no JN, que é o sonho de todo jornalista e, agora, com esse prêmio. Nos dedicamos muito para fazer esse trabalho, demoramos meses para conseguirmos fechar o material, porque dependíamos da vinda das pesquisadoras responsáveis pelo monitoramento dos cavalos-marinhos e também, que a chuva desse uma trégua para que gravássemos. Mas todo esforço valeu muito a pena” – diz Kapiche.

A Lagoa de Araruama na visão dos escritores

No Jornalismo Impresso, a matéria vencedora mostrou como os escritores retratam a Lagoa de Araruama, maior laguna hipersalina em estado permanente do mundo. Com a reportagem “Laguna de Araruama em verso, prosa e produção científica”, Lorena Brites conquistou o primeiro lugar na categoria. “A lagoa é rica em diversidade e atrai o interesse de muitos pesquisadores, mas também é fonte de inspiração para diversos escritores, com publicações que vão desde livros voltados para os adultos, até os mais lúdicos dedicados ao público infanto-juvenil”, explica a jornalista.

Lagoa também é tema no rádio, na web e para universitário

O radialista Alcineu Ribeiro conquistou a primeira colocação em Radiojornalismo com a matéria “O polêmico defeso da laguna de Araruama”. Já na categoria Webjornalismo, Fernanda Carriço, do jornal Folha dos Lagos, trouxe a história do pescador Jarlei da Costa, que capturou uma perumbeba de 29kg, espécie que retornou para a laguna no ano passado após anos de desaparecimento. Com o título: “A lagoa vive: pescador captura perumbeba gigante em São Pedro da Aldeia”, a jornalista ficou em primeiro lugar. 

“Tenho quase trinta anos de profissão, nunca havia concorrido a uma premiação e estava um pouco afastada do jornalismo. Poder retornar para a área, sair da minha zona de conforto e ainda conquistar o primeiro lugar foi um verdadeiro presente, que me mostra o quanto é importante se desafiar”, destaca Fernanda.

Já em Jornalismo Universitário, a estudante Mariana Couto conquistou a premiação com a reportagem “A qualidade da Lagoa de Araruama e o incentivo para a busca pelos esportes náuticos”. A matéria foi publicada no Expresso UVA, da Universidade Veiga de Almeida.

Mais sobre os primeiros lugares em cada categoria

Jornalismo universitário

Mariana Couto | Agência Experimental UVA

Reportagem: A qualidade da Lagoa de Araruama e o incentivo para a busca pelos esportes náuticos

Webjornalismo

1º Lugar: Fernanda Carriço | Folha dos Lagos

Reportagem: A lagoa vive: pescador captura perumbeba gigante em São Pedro da Aldeia

2º Lugar: Nicia Carvalho | Prensa de Babel

Reportagem: Dos poços às torneiras: a trajetória da água encanada em Búzios e a preservação da história das caiçaras

Fotojornalismo

1º Lugar: Téo Arrabal | Folha dos Lagos

2º Lugar: Mariana Ricci | Folha dos Lagos

Jornalismo Impresso

1º Lugar: Lorena Brites | Folha dos Lagos

Reportagem: Laguna de Araruama em verso, prosa e produção científica

2º Lugar: Jéssica Borges | Folha dos Lagos

Reportagem: Do saneamento à gastronomia: pescado da Lagoa de Araruama é preferência na culinária regional

Radiojornalismo

1º Lugar: Alcineu Ribeiro | Rádio Ondas

Reportagem: O polêmico defeso da Lagoa de Araruama

Telejornalismo

1º Lugar: Alexandre Kapiche | Record TV

Reportagem: Cavalos-marinhos retornam para a Lagoa de Araruama

2º Lugar: Suellen Rodrigues | Record TV

Reportagem: A importância da represa de Juturnaíba para a Região dos Lagos

Skip to content