Inea e Prolagos combatem uso ilegal de recursos hídricos em Búzios

Inea e Prolagos desarticulam pontos de exploração ilegal de água

O famoso balneário que atrai turistas de todo o mundo foi alvo, nesta semana, de uma operação de combate à exploração ilegal de recursos hídricos. Uma força-tarefa entre o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e a Prolagos identificou dois pontos de captação irregular de água no bairro Rasa, em Armação dos Búzios. 

Um dos locais era utilizado para abastecer caminhões pipa irregulares e o outro era uma fábrica de gelo. A operação foi realizada após o recebimento de denúncias anônimas por meio da Linha Verde, programa da Secretaria Estadual do Ambiente em parceria com o Disque Denúncia.

Na Rua Justiniano de Souza, foram encontrados três poços artesianos e uma ligação clandestina, que eram utilizados para abastecer caminhões pipa que fornecem água irregularmente. Após a chegada dos agentes, as captações foram desativadas e as bombas apreendidas. 

Já na fábrica de gelo, localizada no mesmo bairro, havia quatro poços, que foram embargados e o estabelecimento foi interditado. Os responsáveis serão multados e foram autuados pela execução de atividade e pela captação de recursos hídricos sem licença de operação. As multas variam entre R$400 mil e R$1 milhão.

Riscos à saúde

Os poços e as ligações clandestinas podem causar risco de contaminação, não só da água que está sendo furtada, como de toda a rede de distribuição. Os chamados ‘gatos de água’ também podem causar grande impacto no abastecimento de toda a região, principalmente durante a alta temporada ou em feriados, períodos em que as cidades da área de concessão recebem milhares de visitantes.

“Para evitar irregularidades, a realizamos inspeções periódicas em Arraial do Cabo, Armação dos Búzios, Cabo Frio, Iguaba Grande e São Pedro da Aldeia, com base em um trabalho de inteligência de dados, comparando o comportamento de consumo dos clientes e avaliando caso a caso”, explica Saimon Moreira, gerente Comercial da Prolagos.

Linha Verde

A população pode contribuir denunciando atitudes suspeitas de forma anônima pela Linha Verde, do Rio de Janeiro, pelos telefones 0300 252 1177 (interior, custo de ligação local) e 2253 1177 (capital).

Pular para o conteúdo