Inteligência Artificial vai ajudar a monitorar rios,  córregos e ribeirões

Inteligência Artificial vai ajudar a monitorar rios, córregos e ribeirões

Mais do que garantir a eficiência dos processos operacionais, uma das premissas adotadas pelas concessionárias da Aegea – como é o caso de Mirante – é adaptar sua estrutura de atendimento respeitando a cultura, as tradições, os costumes e o potencial das cidades onde atua. 

Neste sentido, desde o início da operação da Mirante em Piracicaba (SP), um dos compromissos assumidos é o de contribuir ativamente com a conservação dos corpos hídricos do município, como o rio Piracicaba, principal cartão-postal da cidade.

Entre os programas instituídos pela empresa está o Ribeirão Limpo, que atua diretamente na preservação dos corpos hídricos que recebem afluentes. O programa consiste no monitoramento diário dos rios, córregos e ribeirões do município.

O objetivo é identificar pontos de lançamentos clandestinos e irregulares de esgoto, bem como eventuais avarias no sistema de coleta e, desta forma, executar os procedimentos necessários, de acordo com o diagnóstico obtido durante a vistoria.

A grande novidade no Ribeirão Limpo é que está em fase de testes o uso de Inteligência Artificial (IA) no monitoramento de corpos hídricos. “Além do monitoramento pessoal diário, teremos câmeras móveis que serão instaladas conforme a quantidade de demandas de determinados pontos”, explica  Karolyne Silva Pastori. 

Ela é supervisora de Engenharia da Mirante e explica que a detecção é feita por meio de alterações visíveis nas características da água. “A IA tem a capacidade de distinguir o aspecto da coloração entre uma água limpa e uma água com características alteradas”, completa.

Projeto Piloto

O uso de IA no monitoramento de corpos hídricos é um projeto-piloto desenvolvido pela Mirante. “Essa tecnologia é o que existe de mais moderno e será um importante reforço para o Ribeirão Limpo, ampliando nossa capacidade de monitoramento dos corpos hídricos”, diz. 

Serão duas câmeras que processam as imagens e enviam notificações quando há eventos de alteração nas características visuais da água. “Pretendemos consolidar e ampliar o uso dessa tecnologia, contribuindo na agilidade de resposta e na proteção da qualidade dos corpos hídricos”, finaliza.

Pular para o conteúdo