Aegea assina parceria para ampliar uso de energia limpa

energia limpa

A energia solar representa um modo de produção energética renovável, sem praticamente nenhum impacto ambiental. Por isso, algumas unidades da Aegea já operam com energia solar, considerada energia limpa.

São 16 contratos em operação ou em implantação nos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Rio Grande de Sul, Espírito Santo, Amazonas, Piauí e Maranhão. Agora, uma nova parceria foi feita, para mais duas unidades da Aegea.

Valorização de fontes sustentáveis

A partir do segundo semestre de 2022, a Mirante, Parceria Público-Privada  da Aegea em Piracicaba (SP) e a Águas de Matão, também no interior de São Paulo, irão operar com uma parte significativa de energia fotovoltaica, também conhecida como energia solar.

A iniciativa é fruto da parceria entre a Aegea e a Raízen, empresa integrada de energia e que possui mais de 20 usinas de energia renovável em diferentes regiões do país, sendo três delas no Interior de São Paulo.

Para a Raízen, o futuro da matriz energética nacional está na valorização de fontes sustentáveis. A empresa vem fortalecendo as parcerias para assumir o papel de protagonista na transição energética, segundo o vice-presidente de Energia e Renováveis da Raízen, Frederico Saliba.

Capacidade para abastecer 1.400 residências

Duas usinas de energia fotovoltaica, uma para cada unidade da Aegea, serão instaladas pela Raízen na cidade de Taquaritinga, também no interior de São Paulo. Cada uma ocupará área de 82 hectares onde serão dispostos 6.000 painéis para captação da luz solar, com capacidade de geração de energia de 100 MWh/mês. Essa energia daria para abastecer o equivalente a 700 residências.

De acordo com o engenheiro da Aegea, Emerson Santana Rocha,  somando a produção das duas usinas, o total será equivalente ao abastecimento de 1.400 residências. A Raízen tem capacidade de geração de energia de mais de 350 MW e prevê a expansão de novas usinas de geração distribuída compartilhada para 18 estados e o Distrito Federal até o final de 2022.

A iniciativa integra o pilar ambiental da política de sustentabilidade da Aegea. Fazem parte desse pilar a gestão dos aspectos e impactos associados às atividades desenvolvidas pelo grupo; busca contínua pela eficiência energética; utilização sustentável dos recursos naturais, em especial da água; e melhoria contínua do desempenho ambiental.

Por isso, a nova conquista é comemorada pela diretora-presidente da Mirante e da Águas de Matão, Silvia Leticia Tesseroli. Ela explica que as fontes fotovoltaicas permitem que haja uma produção energética sem qualquer descarte de CO2 na atmosfera e utilização de combustíveis fósseis.

Pular para o conteúdo