Cuidados com a saúde mental precisam ser incluídos na agenda diária

Cuidar da segurança em todos os momentos do dia, em todos os lugares, em movimento ou na frente de um computador. Cuidar da gente, cuidar do outro, se deixar ser cuidado. Durante uma semana, os colaboradores da Aegea receberam esse tipo de conteúdo, ouviram depoimentos, conheceram resultados de pesquisas e aprenderam dicas bem práticas com executivos da empresa e especialistas de vários setores sobre os cuidados que resultam na fórmula: Mente Sã + Corpo Saudável = Trabalho Seguro.

Graziella Sanchez, psicóloga da PathMind, empresa especialista em ajudar outras corporações a cuidarem de forma preventiva da saúde mental dos seus times, trouxe para a SIPAT 2022 da Aegea importantes contribuições. Dicas para serem anotadas e levadas para a vida inteira. “Depois da palestra, virei uma chave interna sobre o stress, pois descobri que eu não sou o meu stress, eu consigo viver melhor apesar de qualquer situação”, disse Roberta Moraes, jornalista da Prolagos que fez a mediação do evento.

O apesar de a que ela se refere, foi um dos pontos da palestra “Stress: conhecer para conviver e prevenir transtornos mentais”. Graziella mostrou que o stress faz parte da natureza humana, pode ser negativo ou positivo, depende de como lidamos com ele. O bom nos coloca em estado de alerta, de atenção e ajuda a liberar ocitocina, conhecido como o hormônio do amor, que nos aproxima das pessoas. Ele facilita a empatia com as pessoas, pois relaxa os vasos sanguíneos. 

“Sabendo gerenciar e lidar com o stress ele pode ser um grande aliado para nós. É simples: é saber o momento de parar. Ter a capacidade de nos relacionar, de nos conectar com quem está ao nosso lado e, aproveitando esse hormônio que é liberado nos momentos de stress, conseguimos mudar um ao outro, enxergar os limites de cada situação. Assim, conseguimos fazer as pazes com o que foi colocado como negativo e transformamos aquilo em algo bom”, disse Graziella Sanchez em sua palestra. 

Mas, como lidar com o stress no dia a dia?

A psicóloga lembra que a vida real, fora das telas das redes sociais, nos bastidores, é cheia de desafios. Como podemos fazer as pazes com o stress? “Um estudo feito com mais de 3.000 adultos mostra que 52% das pessoas aliviam o stress conversando com familiares, meditando e orando. A espiritualidade é um ponto importante como um fator de proteção da saúde mental, segundo a OMS. Outros 36% buscavam alívio por meio da comida, 16% nas compras e bebidas alcoólicas”, responde Graziella. 

Refletir sobre como estamos aliviando o stress é um bom caminho para descobrir se o caminho é benéfico ou não. “Precisa colocar na agenda os cuidados com a saúde mental, O autocuidado deve ser diário, pois é assim que criamos ferramentas para lidar com o stress ruim. E não é muito tempo: 15 minutos de atividades diárias são suficientes para prevenir transtornos mentais. É o que chamamos de higiene mental. Podem ser cinco minutos de manhã, outros cinco à tarde e o restante antes de dormir”, aponta ela.

Saber parar e equilibrar as atividades diárias

Buscar o equilíbrio entre as várias áreas da nossa vida é outra dica importante para saber lidar com o stress. Tem um exercício para isso, chamado de curtograma. “Divide uma folha de papel em quatro e, em cada quadrado, escreva: gosto e faço; gosto e não faço; não gosto e faço; e não gosto e não faço. Deixa na mesa e durante o dia começa a prestar atenção nas coisas que te despertam emoção e anota. Por exemplo: sair com os amigos ou falar mal das pessoas. A partir daí, analisar cada uma”, ensina.

Podemos então buscar outras prioridades, outras formas de pensar e agir. Tem alguns sinais de atenção que apontam que é preciso buscar ajuda profissional. “Não podemos nos acomodar com o que incomoda, o sintoma é um anúncio que alguma coisa não está legal e precisa ser modificada. Normalizar um sintoma não é bom, tipo eu sou ansiosa ou não dormi bem. Não está certo, não é da nossa natureza, o que começou como um stress bom vira crônico e pode abrir quadros para transtornos, diz a palestrante. 

Desaprendemos a respirar

É simples, é básico, mas esquecemos como é a respiração que nos oxigena. “Fica tudo preso no corpo, porque respiramos entrecortado e daí não levamos uma oxigenação adequada para o nosso cérebro, deixando nosso organismo sempre em estado de alerta”, conta Graziella. Segundo ela, a respiração adequada é aquela da criança, do bebezinho – que levanta a barriguinha e abaixa. Mas ao longo da vida vamos desaprendendo a respirar e o oxigênio não chega onde deveria chegar.

“Coloca a mão perto do umbigo e ela tem que se abrir e fechar. Coloca um minuto no cronômetro e faça a respiração: inspira pelo nariz, conta até três e solta pela boca. Conta quantos movimentos foram feitos  A Associação Brasileira de Stress indica que precisamos fazer até 10 em um minuto. Se estiver acelerado, a dica para corrigir é a meditação, três minutos diários podem desligar o botãozinho que dispara as emoções”, aponta Graziella Sanchez. Exercícios físicos são aliados e trazem os mesmos benefícios da meditação. Mas isto é assunto para a semana que vem aqui no Aegea Blog.

Pular para o conteúdo