Maior levantamento de ativos em saneamento

ETE Alegria

São duas frentes de atuação, uma aérea, percorrida com o uso de drones – dez, ao todo, e outra terrestre, onde sessenta pessoas vão a campo coletar dados. Visitam estações de tratamento de água e esgoto, elevatórias e outras unidades responsáveis pelos serviços de saneamento da Águas do Rio.  

Tudo que é coletado é enviado praticamente em tempo real para um centro de dados, o COI, Centro de Operações Integradas da concessionária, onde fica a equipe do Infra Inteligente, programa de soluções digitais da Aegea. Ali, 40 profissionais analisam e cadastram as informações.

Mapeamento completo 

O resultado é um mapeamento digital completo das unidades de água e esgoto, o maior já produzido no país. Com riqueza de detalhes e imagens, vai permitir que a concessionária conheça melhor quais são e as condições dos equipamentos nos 27 municípios fluminenses, inclusive 124 bairros da capital. 

O levantamento minucioso é uma ferramenta de gestão que permite maior controle dos processos, principalmente quanto à manutenção. Reduzindo as intervenções, os sistemas funcionam de forma otimizada e aumenta a eficiência dos serviços.

“As melhorias vão sendo feitas ao mesmo tempo em que o levantamento acontece, em um processo contínuo de compartilhamento de dados”, explica Wagner Carvalho, líder do Infra Inteligente. Os times das áreas de projetos e da operação também acessam os dados no momento de planejar as ações.

Previsão é de mapear 30 mil equipamentos

Em 40 dias, as 24 equipes de campo já tinham levantado mais de 20 mil equipamentos e a previsão é de chegar a 30 mil. São mais de 20 mil páginas de documentos on-line, com links e imagens em 3D e esféricas que permitem uma visualização muito precisa das condições reais de cada ativo levantado.

Além disso, cada equipamento levantado recebe uma etiqueta com QR Code que permite o acesso as informações sobre ele. Se for um motor, por exemplo, seria possível identificar o modelo, o fabricante, o ano em que foi fabricado, desde que estas informações estejam acessíveis no momento da coleta.

Depois de pronto, o levantamento vai para um banco de dados que é constantemente atualizado. “Toda intervenção feita posteriormente pela área de engenharia ou manutenção deve ser incluída para que o cadastro fique sempre atual”, conta Osmar Rosa, um dos responsáveis pelo Infra Inteligente.

Gêmeo digital: alta tecnologia a serviço do saneamento

As milhares de imagens dos drones são transferidas para processamento em supercomputadores que são capazes de gerar as reproduções tridimensionais. 

Em uma fase posterior, é possível, com os dados coletados, realizar visitas virtuais e acompanhar mais de perto, mesmo à distância, o funcionamento de cada uma. O Programa Infra Inteligente tem foco na eficiência operacional.

Quer saber mais como a Aegea investe em tecnologia a serviço do saneamento? Leia a Matéria de Capa da edição 33 da Revista Aegea.

Pular para o conteúdo