Movimentação de cargas: dicas para a 3ª Regra de Ouro de Segurança

Movimentação de cargas: dicas para a 3ª Regra de Ouro de Segurança
Texto: Rosiney Bigattão

A movimentação de cargas é uma das atividades mais comuns nas operações de saneamento, por isso, a importância de cuidar da prevenção de acidentes de trabalho. Tão importante que é o tema da abordagem da terceira Regra de Ouro de Segurança da Aegea.

Em saneamento, envolve o manuseio de tubulações de grandes dimensões, algumas de concreto, como as que compõem os poços de visita,  muito pesadas. Peças como transformadores, para a parte elétrica das operações, também são costumeiramente movimentadas.

Outra atividade comum no setor é o içamento de bombas submersas e em elevatórias. “A movimentação de cargas é muito corriqueira em saneamento, por isso, exige muito planejamento”, explica Sérgio Laraia, gerente de Saúde e Segurança do Trabalho.

Plano de Rigging

“Como estamos falando de cargas pesadas, muitas vezes precisamos inclusive de um projeto de movimentação, chamado Plano de Rigging, que é um documento elaborado no planejamento da operação”, afirma.

“O projeto contempla o peso da carga, qual o equipamento ideal para fazer o transporte, se o piso do local onde será feita a movimentação vai suportar o peso, como deve ser feita a sinalização periférica, quem vai trabalhar no raio de ação do equipamento, os cuidados para que os colaboradores não fiquem expostos a riscos, tudo deve ser considerado”, explica.

Análise Preliminar de Risco

Toda atividade a ser executada, mesmo com projeto, deve ter uma Análise Preliminar de Risco, a APR. “São analisadas quantas pessoas estarão envolvidas, se elas estão devidamente capacitadas, qual o raio de ação, como será feita a movimentação, que riscos estarão presentes  e quais os EPIs necessários”, diz Laraia.

A movimentação de cargas é feita geralmente por guindastes ou caminhão munck, também conhecido como guindauto, um equipamento de grande porte utilizado para operações de descarga e içamento de cargas pesadas. Também são usadas talhas, pórticos metálicos com um guincho acoplado.  

“O maior cuidado para quem chega perto de um local de movimentação de cargas é respeitar as áreas de sinalização, não ultrapassando os limites, caso contrário, estará colocando sua vida – e a de outras pessoas, em risco”, enfatiza.

Diálogo Diário de Segurança

Outro ponto importante é o Diálogo Diário de Segurança, o DDS, que deve ser feito antes de iniciar a movimentação, realizando a leitura da Análise Preliminar de Risco e explicando para todos os envolvidos quais os riscos, os procedimentos de segurança a serem adotados, até onde pode ir, alertando também que ninguém pode ficar embaixo das cargas que estão sendo movimentadas.

Os riscos na movimentação de carga são: o desprendimento da carga, que pode ser provocado por uma falha de qualquer natureza; pode haver o tombamento do caminhão munk ou do guindaste, e a carga colidir com alguma estrutura ou pessoa.

Dicas que protegem e salvam vidas

Para evitar acidentes, a dica é: estude, planeje, sinalize e execute com segurança. E não se esqueça dos EPIs, que devem ser adequados para cada tipo de carga a ser movimentada. Os essenciais em movimentação de cargas são botina com biqueira, luvas de vaqueta e capacete. “Para toda atividade que você vai fazer, conheça, tenha a certeza daquilo que vai ser feito e como será executado. Planeje e verifique todas as questões de segurança”, finaliza. 

Pular para o conteúdo